15 de abril de 2018

Liberdade dos cabelos: atreva-se a ser você mesma

Mulheres corajosas que não se submeteram aos padrões de beleza e criaram o seu próprio estilo

Estava eu me perguntando sobre a importância dos cabelos para nós mulheres. Já vi homens reclamarem do corte de cabelo, mas nunca sobre o cabeleireiro ter tirado muito o comprimento. Já as mulheres, um centímetro a mais é motivo de desespero. Eu mesma, quando meus cabelos estavam caindo, sofri muito por medo de ficar careca. Isso só pra ilustrar como nos preocupamos com os cabelos e podemos ficar até deprimidas por causa deles.

Realmente, os cabelos fazem diferença no visual. Emolduram o rosto, destacam o que queremos evidenciar e ajudam a disfarçar o que não queremos que seja percebido. Os homens não se preocupam tanto com isso, mas nós tentamos tirar o máximo proveito deles, seja para ter uma aparência mais moderna, ousada, comportada, sexy ou mais jovem. Há também mulheres que passam a vida toda com o mesmo corte de cabelo e mesma cor e nem por isso são menos bonitas ou menos satisfeitas com suas madeixas. Afinal, 

Os cabelos podem ser tudo ou apenas um detalhe, dependendo da atitude e autoconfiança da mulher.

Como os leitores do S.O.S Cabelos sabem, eu decidi assumir os brancos e não pinto mais os cabelos desde setembro/2017. Recebi muitas críticas e conselhos para desistir, mas também vi muitas mulheres, que já não estavam satisfeitas com a obrigação de pintar os cabelos, se encorajarem a partir da minha decisão e também aderir aos fios brancos. Por outro lado, há mulheres que não toleram a ideia de ficar com cabelos brancos por receio de ficarem envelhecidas ou de perderem a identidade ou por outros motivos. Mas a questão aqui não é pintar ou deixar de pintar. É ser livre para escolher e ser respeitada por suas escolhas. 

Onde quero chegar com esse papo é: por que a aparência dos cabelos é tão importante para nós mulheres? E por que se tornou natural não aceitar nossa natureza? Existe um padrão imposto às mulheres da obrigação de se manterem jovens, lindas, atraentes etc. etc., onde não cobrir os brancos, não alisar os "cabelos rebeldes", não aderir a todos os procedimentos estéticos retardadores do envelhecimento não é aceitável. Ou seja, aceitar-se não é aceitável. Não quero dizer com isso que não devemos nos cuidar ou buscar ficar bonitas, mas isso tem que ser uma busca natural, à medida que seja do nosso interesse. O que não dá pra tolerar é ser discriminada por não se manter em forma, por ter celulite, por ter cabelos brancos etc., quando nós mesmas não damos importância para isso.

Já percebeu que homens barrigudos e carecas não causam nenhuma indignação? É porque eles são valorizados pelas qualidades que possuem, como inteligência e caráter, ficando a beleza em segundo plano. Quando se trata de nós mulheres, podemos ter um milhão de qualidades, mas se nossa aparência não estiver como manda o figurino, é disso que vão falar.
Por trás de tudo isso existe toda uma indústria da beleza que ganha milhões para nos manter eternamente insatisfeitas com nossa aparência.

Mas nós estamos aqui para fazer diferente, e temos a sorte de estar vivendo em uma era em que muitas mulheres fortes estão se unindo e dizendo não aos padrões que nos oprimem. E quando nos erguemos e mostramos quem somos e o que queremos, as críticas e julgamentos perdem a força. Às vezes parecem coisas pequenas, mas simples atos de coragem como o de aceitar o seu cabelo natural quando ele vai contra um padrão são na verdade atos de luta, e essas atitudes falam por todas nós. E você, qual é a sua luta?

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Topo